Este aqui é o último vídeo da série “Os Fatores da Produtividade”. Se você acompanhou de perto todos os lançamentos, nós estivemos juntos por 4 semanas, quase que diariamente, falando sobre os vários aspectos da produtividade, principalmente buscando um entendimento de como podemos nos tornar melhores, mais eficientes, mais criativos, mais felizes e realizados.

Neste vídeo, eu acho produtivo (desculpe o trocadilho) fazermos um resumo de tudo, colocando os principais tópicos em uma única linha de pensamento. Vamos lá?

Um grupo de pesquisadores da University College London examinou mais de 8 mil homens e mulheres, todos com mais de 50 anos, e a maneira como conduziram suas vidas. Este estudo focou no RESULTADO esperado de uma vida produtiva, ou seja, no sucesso e na qualidade da vida após o período produtivo.

A conclusão é de que é necessário desenvolvermos 5 habilidades-chave para chegarmos aos nossos objetivos. Saiba quais são neste vídeo.

Perceba que tudo o que sabemos se baseia no que já vimos na vida e nossas experiências costumam ser determinadas por amostras tendenciosas.

Dependendo do meio em que você está inserido, é muito provável que você dê mais atenção ao êxito do que ao fracasso. Isso é correto? Será que enxergar o mundo por estas lentes não anula a realidade?

Ser produtivo não tem a ver com a capacidade de entender corretamente o que nos cerca, sem distorções?

A criatividade é um elemento essencial no contexto do trabalho. Nas empresas, os funcionários criativos são os mais recompensados porque conseguem pensar em soluções eficientes para problemas diversos. Está ligada à inovação, portanto, é um motor da humanidade.

A boa notícia é que o processo criativo pode ser estimulado. É possível criar condições que ajudem a impulsionar a criatividade. Saiba mais neste vídeo!

Reconheça, estude e resolva o seu ‘ciclo de produtividade’. Ou seja, determine qual é a sua curva de rendimento ao longo do dia.

Algumas pessoas rendem mais pela manhã, outras à tarde. Para evitar horas extras, tente descobrir em qual período se sente melhor, mais motivado ou com mais pique e concentre nele as principais tarefas. Neste vídeo, uma dica que como fazê-lo.

Um estudo da Universidade de Stanford indicou que a produtividade dos funcionários diminui consideravelmente após mais de 50 horas trabalhadas por semana e cai ainda mais depois de 56 horas semanais.

A verdade é que faz mal ir além dos nossos limites. Quando trabalhamos depois de um certo ponto, os retornos esperados diminuem e acabamos cometendo erros. A longo prazo, os resultados são devastadores! Na ponta do lápis, 3 pessoas que trabalham 12 horas por dia não são mais produtivas que 2 que trabalham 8h. Entenda essa matemática neste vídeo.

A automotivação pode ser desenvolvida? Ela pode romper as barreiras sociais e ambientais? Ou é inerente a alguns tipos de pessoas?

Alguns teóricos defendem que sim, que é possível despertá-la. Veja algumas dicas neste vídeo.

Estamos na era da produção massiva de informação. Atualmente, em um ano, a humanidade produz mais dados que em 100 anos de história registrada. E essa produção cresce em progressão geométrica. Então, fica impossível você ter acesso ou consumir tudo o que é produzido. Lembre-se: a produção de dados não significa produção de conhecimento!

E, para ser verdadeiramente produtivo, deverá consumir conhecimento!

A ‘restrição cognitiva’ é um estado em que o cérebro não está preparado para agir de imediato, pois não consegue entender ou se posicionar corretamente no contexto. Faz parte de uma automação mental, muito perigosa porque vários acidentes acontecem por conta desse estado.
Mas, o que ela tem a ver com a produtividade? Saiba mais neste vídeo!

Uma técnica bastante interessante para se desviar da procrastinação e produzir com mais eficiência é trabalhar internamente com os chamados ‘modelos mentais’. São histórias contadas a si mesmo, formulando experiências dentro de sua própria cabeça. Para isso, você precisa saber administrar sua própria atenção e a construir imagens mentais robustas, consistentes. Saiba como aqui neste vídeo!

Procrastinação é o adiamento de uma ação, negando sua responsabilidade ou mesmo fugindo de um suposto sacrifício por ter de fazer algo. Para este tipo, os desdobramentos vão se intensificando e nos impedindo de realizar o que é necessário, até mesmo nos paralisando.

Mas, e a procrastinação criativa? Ela realmente existe em um ambiente corporativo?

É possível manter a motivação em alta, todos os dias? É possível manter um time ou uma equipe motivada permanentemente? A motivação é o instrumento certo para garantir a produtividade?

Nas últimas décadas, produtividade e metas andaram de mãos dadas, e ficou bastante comum andar pelos corredores e salas das empresas e dar de cara com listas de demandas ordenadas em ‘linhas de tempo’.

Mas estabelecer metas realmente garante produtividade? Vamos jogar esse conceito para cima e ver se ele cai de pé?

Um dos testes de personalidade mais aplicados em todo o mundo por empresas ajuda a identificar as pessoas mais confiantes e decididas. O que é relevante é que ele mostra os traços que estão mais associados ao sucesso na vida e também de forma geral, que têm a ver muito com a “necessidade de conclusão cognitiva”.

Veja neste vídeo como isto funciona.

O locus de controle é a expectativa de um indivíduo sobre a medida de seus esforços ou estímulos de comportamento, que podem ser internos ou externos: o locus de controle.

Responda rápido: você sabe quais as pessoas mais produtivas, seguindo a linha do locus de controle? Saiba aqui!

O que os neurocientistas descobriram recentemente é que o controle sobre nossas decisões é também um “imperativo biológico”. Desde que nascemos, lutamos por ter o controle sobre o que nos rodeia, formando uma zona de conforto psicológica.

Quando atingimos a maturidade e entramos no mercado de trabalho, há uma situação em que delegamos abertamente as decisões, contrariando nossa natureza.

Em uma empresa, a sensibilidade social está ligada à inteligência coletiva, em quão bem as pessoas trabalham em conjunto. É o que revelou um estudo do MIT em parceria com outras universidades americanas. Nele, os grupos de estudo que se saíram melhores em seus desafios foram os que mantiveram um equilíbrio entre todos os seus integrantes.

Um ambiente de confiança e respeito mútuo faz com que as pessoas se sintam à vontade para serem autênticas, para serem criativas, para serem inovadoras.

Esta é a conclusão de uma série de pesquisas recentes realizadas por universidades americanas em grupos de trabalho dentro das grandes corporações. Mais do que a liderança decidida de um gestor ou as qualidades inatas de seus integrantes, a produtividade de uma equipe está diretamente ligada à forma como eles tratam uns aos outros.

Como são as regras em sua equipe de trabalho?

Produtividade é a redução do tempo necessário para a realização de algo. No ambiente industrial, traduz-se pela busca contínua para ser mais eficiente, mantendo ou elevando os níveis de qualidade, sem acréscimo de mão-de-obra ou aumento dos recursos de produção.

E no ambiente corporativo? Qual o comportamento da produtividade?